Make your own free website on Tripod.com

Fungos

O termo fungo, em sentido lato, designa os talófitos aclorofilados, isto é, as bactérias ou esquizomicófitas, os fungos mucosos, mixomicetes ou mixomicófitas e os fungos verdadeiros, eumicetes ou eumicófitas. A palavra cogumelo, embora por vezes empregada como sinônimo de fungo, se aplica mais comumente aos fungos verdadeiros ou, numa acepção ainda mais restrita, aos representantes comestíveis ou venenosos deste grupo. Como caracteres gerais, comuns aos três grupos, deve-se salientar que são organismos simples, isto é, com o corpo formado tão-somente de um talo uni ou pluricelular, e heterotróficos, ou seja, incapazes de criar a matéria orgânica a partir dos materiais inorgânicos. Dependem assim, para sua nutrição, direta ou indiretamente, de um modo geral, dos alimentos elaborados pelas plantas verdes.

Quando o alimente é obtido pelo ataque a outro ser vivo, ocorre o chamado parasitismo; se retirado de restos animais ou vegetais, dá-se o saprofitismo. As formas parasitas são exigentes quanto à alimentação e meio ambiente, a maioria delas só se podendo multiplicar sobre determinados tipos de seres vivos. O grau de especificidade é, porém, muito variável. Alguns vivem em vários gêneros, outros num só gênero ou numa só espécie. Há ainda os que se desenvolvem apenas numa variedade ou mesmo numa raça de planta ou animal.

Bactérias.

Entre elas figuram os menores organismos vivos conhecidos. Apresentam-se sob três formas principais, redonda (coco), alongada, em bastonete (bacilo) e curva (vibriões e espirilos). Muitos são dotados de flagelos ou de uma parede celular contrátil graças aos quais podem movimentar-se em líquidos ou superfícies úmidas. Existem por toda parte, no solo, no ar, na água, nos alimentos e no corpo humano. Reproduzem-se por divisão celular, que pode ocorrer a cada 20 minutos, em condições ótimas. Assim, em 24 horas, uma só bactéria poderia dar origem a 1,8 x 100 bilhões de indivíduos. Felizmente, as condições apresentadas não conseguem permanecer ótimas por longos períodos, e esse grau acelerado de reprodução não se mantém. Em condições desfavoráveis alguns tipos de bactérias segregam um envoltório protetor resistente, transformando-se em esporos. Estes podem permanecer inativos durante semanas, meses e até anos, recuperando a vitalidade ao serem restabelecidas as condições adequadas.

Há bactérias que causam enfermidades nas plantas, nos animais e no homem. Não obstante, a maioria delas é inofensiva e algumas são úteis, por exemplo, na elaboração do vinagre, do queijo e nos processo de putrefação.

Mixomicetes.

Constituem um grupo peculiar de plantas, diferentes de todas as outras por terem o corpo formado de uma simples massa de protoplasma, mucilaginosa e capaz de se deslocar lentamente sobre o substrato e de englobar partículas sólidas. Crescem sobre a madeira em putrefação e outros objetos úmidos. Ao fim esta massa gelatinosa cessa de deslocar-se e emite numerosos órgãos ou pequenas cápsulas, mais ou menos arredondadas, cheias de esporos. Estes são transportados a grande distância pelo vento, pela água e outros veículos, e vão originar, onde pousam em condições apropriadas, um novo mixomicete. Uns poucos são causadores de doenças superiores. Alguns possuem caracteres peculiares a plantas, outros a animais.

Fungos Verdadeiros.

Os fungos verdadeiros constituem, pela diversidade das formas que englobam, um conjunto bastante complexo e heterogêneo. Reconhece-se a existência de três classes nesse grupo, a saber:

Ficomicetes. Têm o talo unicelular nas formas mais primitivas, e formado de filamentos (chamados hifas) tubulares, multinucleados, não septados, ramificados, nas mais adiantadas. Guardam analogia com as algas verdes com respeito á estrutura e á reprodução. A esta classe pertencem os mofos, como o mofo pão e outros que atacam os tecidos em ambiente úmido, são saprófitos. Alguns são parasitas de plantas. Os mofos produzem tal quantidade de esporos, que sempre existem deles no ar. Como exemplos de ficomicetes, pode-se citar: Plasmodiophora brassicae, causador da 'hérnia da couve'; Rhizopus nigricans, o mofo preto do pão; Saprolegnia, que é um gênero de ficomicetes aquáticos vivendo sobre detritos e peixes; e Empusa muscae, que prolifera sobre as moscas, matando-as à maneira de uma epidemia. A importância desse grupo advém de seu significado econômico, porquanto atacam especialmente, plantas e animais (peixes), causando perda de alimentos e desperdício de esforços. Exemplo significativo da obra destruidora destes fungos é a doença denominada 'podridão' ou 'míldio da batateira', causadora da destruição das plantações de batata na Irlanda, em 1845-46, que matou de fome milhares de pessoas. O agente ocasionador deste míldio é o ficomicete Phytophtora infestans, que passa o inverno nos tubérculos doentes e desenvolve-se na primavera, matando os rebentos. Contribuem, por outro lado, de modo benéfico para os processos de mineralização da matéria orgânica que restituem aos solos substâncias molecularmente pouco complicadas e que ajudam a conservar-lhes a fertilidade.

Ascomicetes. São providos de talo uni ou pluricelular; nesse caso têm filamentos ou hifas septados e geralmente uninucleados por célula. O conjunto das hifas (micélio) pode organizar-se em corpos morfologicamente definidos (ascocarpos) ou crescer de modo indefinido , sob a forma de lanugem. Seu modo de reprodução oferece caracteres de grande valia para a definição do grupo, isto é, a presença de estruturas denominadas ascos, que são como sacos formados na ponta de filamentos micelianos especializados. Em seu interior se formam, de ordinário, oito esporos ou ascóporos.

Os ascomicetes podem ser parasitas e crescer sobre animais e vegetais, causando-lhes variadas enfermidades; ou saprófitos nos solos ricos em matéria orgânica, sobre frutos em decomposição, alimentos, tecidos, etc. Alguns têm importância industrial na fabricação de queijos e nas fermentações ligadas à produção de bebidas alcoólicas, na produção de antibióticos (como a penicilina), em panificação, enquanto outros são comestíveis ou encerram alcalóides usados na medicina. Como exemplos, citem-se as leveduras ou fermentos, diferentes dos outros fungos por seu modo de reprodução por gemulação. No ar, existem normalmente células de levedura em suspensão.

O mofo azul e preto é formado respectivamente de espécies dos gêneros Aspergillus e Penicillium A. niger, sendo empregado na produção de ácido cítrico por fermentação. Os queijos Roquefort e Camembert são feitos com a intervenção de espécies de Penicillium denominados respectivamente P. roqueforti e P. camemberti. P. notatum é o principal representante dos produtores de antibióticos. Produz a penicilina. Tuber e Morchella se notabilizam pelas espécies comestíveis que englobam. Claviceps purpurea, ou esporão do centeio, do qual se extraem vários alcalóides e preparos de emprego na medicina. Gênero afim de Claviceps é Cordyceps que se desenvolve no interior de insetos e larvas, destruindo seus tecidos, respeitando porém sua forma exterior.

Basidiomicetes. Providos de talo pluricelular formado de hifas septadas. Seu micélio pode Ter crescimento indefinido ou formar, nos tipos mais evoluídos, corpos grutíferos carnosos de estrutura constante. A estrutura reprodutora característica do grupo é o basídio, que é a extremidade de uma hifa dilatada, uni ou pluricelular, e que emite ramificações ou esterigmas, cada uma suportando em sua extremidade um esporo, ou basidiósporo. Estes, contrariamente aos ascóporos, de natureza endógena, são tipicamente exógenos. O grupo tem grande importância econômica. Compreende espécies causadoras de sérias doenças em plantas cultivadas, como sejam as ferrugens e os carvões. Ustilago maydis produz o carvão do milho. Puccinia graminis é a ferrugem do trigo. Os basidiomicetes superiores se separam em dois grupos; de um lado os himenomicetes, com membrana esporófora exposta, e de outro os gasteromicetes, com membrana esporófora inclusa. Entre os primeiros estão os mais importantes fungos comestíveis e venenosos conhecidos. Também aí figuram os fungos destruidores de madeira. Psalliota campestris é o cogumelo de campo, ou cogumelo cultivado (champignon do comércio). Entre os venenosos ou repugnantes ao paladar podem ser citados Amanita phalloides, o mais tóxico de todos, capaz de causar acidentes mortais, Russula emetica, de sabor picante, os Dictyophora, de cheiro e gosto desagradáveis.

São notáveis as associações de fungos com outros vegetais, como sejam as micorrizas, em que o fungo se associa com as raízes de plantas superiores, e os liquens, em que a associação se faz com algas. Como um apêndice aos fungos, é tratado um último grupo, o dos deuteromicetes, entre os quais se encontram os agentes causadores de doenças dos vegetais superiores ou de afecções cutâneas.

Fungos Patogênicos.

Os microfungos, ou cogumelos microscópicos, causam no homem uma série de doenças, chamadas micoses, que ocupam lugar de destaque na patologia tropical. No Brasil há, sobre o assunto, trabalhos importantes, que dizem respeito a diversos ramos da medicina tropical. A maioria dos fungos patogênicos provieram originalmente do solo ou eram parasitas vegetais. Numerosos são também os fungos que produzem doenças em outras culturas, como por exemplo a murcha e a antracnose no algodão; o carvão e a podridão das raízes da cana, a podridão seca e a podridão rosada da espiga do milho, etc.

Vegetais ou Animais?

A planta é uma extraordinária "indústria química": graças à clorofila, é capaz de aproveitar a luz solar para fabricar alimentos, utilizando como matéria prima substâncias simples: água, alguns compostos minerais nela dissolvidos e um gás contido na atmosfera - o anidrito carbônico. A planta clorofilada é, pois, um organismo autotrófico, isto é, que produz seu próprio alimento. Os fungos, ao contrário, não têm clorofila e, para nutrir-se, precisam, como os animais, de substâncias orgânicas originadas de fontes animais ou vegetais. Após anos de pesquisa constatou-se que os fungos acumulam glicogênio, principal forma de armazenamento de carboidratos nos tecidos animais. Quase todos constituem-se de células cujas paredes contêm uma substância semelhante à que participa da formação do esqueleto externo dos insetos (exosqueleto), dos chifres, da pele, das penas, das unhas e de outras partes dos animais. Apesar de serem aclorofilados, de não terem raízes, folhas, flores ou frutos eles se assemelham muito aos vegetais, tanto, que se observarmos, os mecanismos de reprodução dos fungos, vamos perceber que seu comportamento é tipicamente vegetal. Quase sempre os fungos se reproduzem por via vegetativa, ou seja, forma-se um novo fungo a partir de uma gema ou de um fragmento de fungo "pai". Este produz células especiais - esporos - que servem unicamente para a reprodução. Já alguns cientistas preferem classificá-lo num reino independente - Reino Protista -, ao lado das algas, bactérias e protozoários. No entanto, eles não pertencem nem a um nem a outro reino, e sim ao Reino Fungi.

Um Crescimento Oculto e Imprevisível

Se você colher um cogumelo e se detiver a examiná-lo, fique certo de uma coisa: o verdadeiro corpo do vegetal não é o que você tem na mão, mas o que ficou retido no solo. O corpo do fungo, denominado micélio, raramente pode ser visto, pois cresce escondido no solo ou no corpo de um organismo vegetal ou animal, esteja ele vivo ou morto.

O micélio parece um feltro esbranquiçado e, observado ao microscópio, veremos que consiste num entrelaçamento de filamentos delgados - as hifas. Mais final do que um fio de cabelo, as hifas são capazes de absorver a água e as substâncias nela dissolvidas, da maneira como fazem os pêlos absorventes das raízes das plantas mais evoluídas.

Mas a parte do cogumelo que emerge do solo, denominada corpo de frutificação, é formado por inúmeras hifas intimamente entrelaçadas.

A Micorriza

Há muitas espécies de fungo simbiôntico que crescem em estreita associação com raízes de árvores. Em algumas delas, as hifas (que, como vimos, constituem o corpo do fungo e se alojam no solo), ao penetrar no interior das raízes, passam a atuar em substituição aos pêlos radicais na sua função de absorver a água e as substâncias nela dissolvidas. A planta, por sua vez, cede ao fungo parte das substâncias orgânicas que produz, fornecendo-lhe sua parcela de alimento. Essa forma particular de simbiose entre fungo e raiz de planta superior denomina-se micorriza (do grego mykes = fungo; rhiza = raiz). Dentre os fungos comestíveis mais conhecidos, como boletos, amanitas e rússulas, muitos vivem em micorriza com diversas espécies de árvore: pinheiros, abetos, castanheiros, carvalhos, e nogueiras.

Fungos Microscópicos

A maior parte dos fungos não é visível a olho nu. Contam-se milhares as espécies de fungo microscópico, algumas delas bastante conhecidas, como, por exemplo, os mofos, que se desenvolvem principalmente em lugares úmidos e mal ventilados.

Os mofos costumam formar uma espécie de feltro sobre a superfície de frutos e hortaliças ou de objetos deixados em lugares fechados e úmidos.

São fungos microscópicos também os lêvedos, totalmente privados de coloração, conhecidos e utilizados pelo homem desde a mais remota antigüidade.

Particularmente notável é o lêvedo de cerveja, que se acrescenta á massa do pão para fazê-lo crescer, e os lêvedos que provocam a fermentação do mosto da uva, transformando em vinho.

Que são os Cogumelos que Comemos?

Já dissemos que o verdadeiro corpo do fungo sempre está alojado no interior de uma fonte de alimento.

Que seriam então as estruturas tão características que brotam do solo ou do tronco das árvores, que todos chamam de cogumelo?

Observando-se de perto podemos notar que muitos apresentam um "pé" e um "chapéu" se compõe de um conjunto de cavidades que o tornam semelhante a uma esponja.

As lamelas têm por função sustentar milhares de esporos, tão pequenos quanto os grãos de poeira; esses "furinhos" correspondem às aberturas de um número considerável de túbulos forrados de esporos; cada cavidade é revestida de células especiais, que produzem esporos.

Os esporos são importantes porque, se encontram condições adequadas (umidade, calor e oxigênio), podem germinar e originar um novo fungo. Os esporos, portanto, são os corpos que permitem a reprodução e dispersão da espécie. Mas para isso é necessário que aflorem no solo ou no organismo do hospedeiro no qual o micélio (parte filamentosa do talo) do fungo inserido.

Eis por que, em certos períodos do ano brotam do solo formações características de cogumelos em toda a sua diversidade de formas, cores e odores. Essas estruturas, denominadas corpo de frutificação, têm a tarefa de produzir e dispersar os esporos, e muitas delas são comestíveis.

As Trufas

As trufas, usadas em culinária fina, embora à primeira vista possam ser confundidas com tubérculos de batata, são fungos. Em seu interior existem minúsculas e numerosas cavidades contendo grande número de esporos.

Trata-se, pois, de um tipo particular de corpo de frutificação produzido por fungos que vivem em micorriza. Por serem corpos de frutificação subterrâneos, não podem disseminar diretamente os esporos. Dotados, porém, de forte odor, atraem animais de olfato aguçado (cães e porcos, por exemplo), que escavam a terra para comê-los, difundindo os esporos através das fezes.

A Importância dos Fungos

A maior parte dos fungos, assim como as bactérias, desempenho papel de grande importância na economia da natureza. Esses seres, na busca de seu alimento, decompõem o folhelho e as plantas mortas que revestem o solo das regiões florestadas, e degradam os restos de outros organismos. Nesse processo produzem anidrido carbônico, que passa para a atmosfera, e diversas substâncias minerais, que, dissolvidas no solo pela chuva e umidade, constituem alimento para outras plantas.

Os fungos destroem, assim material que, de outra forma, iria acumular-se em quantidades incalculáveis. Eles são, portanto, os laboriosos lixeiros da natureza.

Já vimos que os fungos micorrizais ajudam as raízes de muitas plantas na absorção da água; muitos desses fungos são venenosos, mas não devem, por isso, ser destruídos, pois são úteis nas zonas arborizadas.

Além de úteis para a natureza, os fungos são, como vimos, úteis para o homem. Todos conhecem a penicilina e outros antibióticos. Essas substâncias são produzidas por alguns tipos de mofo (fungo microscópico) e têm a propriedade de destruir bactérias e outros microorganismos causadores de várias moléstias graves.

Isso sem falar dos lêvedos, fungos indispensáveis à produção de pão, vinho e cerveja. E nos fungos comestíveis, que vêm ganhando mercado no Brasil. Algumas espécies, como o agárico-campestre, podem ser cultivadas em qualquer época do ano.

Fungos Saborosos e Fungos Mortais

Do ponto de vista comestível os fungos dividem-se em quatro categorias:

Fungos comestíveis: as numerosas espécies desta categoria são utilizadas pelo homem na sua alimentação e consideradas saborosas e nutritivas.

Fungos não comestíveis: trata-se de espécies não venenosas, porém não comestíveis em virtude da dureza ou do sabor desagradável.

Fungos tóxicos: espécies venenosas, embora não necessariamente mortais.

Fungos mortais: as poucas espécies desta categoria podem causar a morte de quem as ingerir.

Diversas Formas de Viver

Devido às características heterotróficas, os fungos não produzem seu próprio alimento mas dependem, para sua sobrevivência, de substâncias orgânicas provenientes de outros organismos. Mas nem todos se nutrem do mesmo modo.

Fungos saprófitos: a maior parte dos fungos obtém o alimento de que necessita a partir de organismos mortos ou de substâncias orgânicas em decomposição. São os saprófitos (do grego sapros = pútrido; phyton = planta). Uma das espécies mais comuns é o agárico-campestre (Psalliota campestris), freqüentemente cultivado em cavernas, sobre esterco fermentado.

Fungos simbióticos: os fungos, grande parte em sua maioria, vivem em associação com outros organismos vegetais vivos, e cedem a estes uma parte de água que as hifas absorvem, inclusive no estado de vapor.

Os "parceiros" do fungo, por sua vez, o suprem do alimento que estão em condições de produzir.

Muito conhecida é a união entre fungos e algas. O produto dessa estreita associação é um tipo particular de organismo vegetal - os liquens - capaz de viver e desenvolver-se nos ambientes mais inóspitos. A relação de igual para igual, de intercâmbio entre duas formas de vida diferentes, útil para ambas, é denominada simbiose (do grego syn = junto; bios = vida). Os fungos que vivem em simbiose com outros vegetais denominam-se simbiônticos.

Fungos parasitas: os fungos que se desenvolvem à custa de outros organismos, sem que estes obtenham vantagens dessa associação, chamam-se parasitas. No mundo vegetal, o maior número de espécies parasitas encontra-se exatamente entre os fungos e chega a alguns milhares. Se um fungo parasitar o corpo de um organismo vivo, animal ou vegetal, poderá prejudicá-lo seriamente e até provocar a morte.

Entre as doenças vegetais ocasionadas por fungos, cita-se a ferrugem, que, no Brasil, tem sido o flagelo dos cafezais. As micoses que atacam a pele de homens e animais (o pé-de-atleta, por exemplo) são provocados por fungos. O ergotismo é uma doença incurável que afeta pessoas e animais que ingiram cereais infectados pela cravagem do centeio, que é um fungo.

Home | Notas do Autor | Cultura | Cinema | Viagem e Turismo | Trabalhos Escolares | Spice Girls

Voltar para Trabalhos Escolares